Caracterização

Vila Nova do Ceira é geograficamente a mais pequena freguesia do concelho de Góis, mas a mais densamente populada. Beneficia da terra extremamente fértil no vale do rio Ceira que se alarga por baixo da vila de Góis onde se junta com rio Sótão na Várzea Grande.
 A geologia da área demonstra as fortes agitações pela actividade da glaciação há milhões de anos atrás – existem lugares onde se pode observar como a rocha foi dobrada pela imensa pressão dos glaciares e a área está cheia de grandes pedregulhos redondos e pedras do tamanho de uma bala de canhão que foram aproveitadas na construção dos edifícios locais. 
 
A paisagem é feita de terrenos suavemente inclinados ao longo dos rios, onde ainda hoje se cultiva milho, vinhas e azeitonas que crescem em abundância. Os lados do vale erguem-se íngremes e são plantados com uma mistura de pinheiros e eucaliptos que são utilizados pela indústria florestal. No sudeste, muitas aldeias têm a vista para o espectacular cume da Peneda de Góis e no oeste para o Cerro da Candosa – o dramático desfiladeiro talhado pelo rio Ceira através do rochedo. 
 
GEOLOGIA:
 
As fragas quartzíticas da Nossa Senhora da Candosa, em Vila Nova de Ceira (Góis), onde se ergue uma capelinha, são um espectáculo magnífico. O rio Ceira corre aqui cerceado num pequeno canhão a 150 metros de profundidade.
Um dos aspectos marcantes na Cordilheira Central xistosa, é a presença de cristas quartzíticas que se destacam na paisagem, já por si montanhosa. Resultam fundamentalmente de erosão diferencial (esta rocha é muito mais dura do que a rocha encaixante, normalmente o xisto) mas também a forças tectónicas.
As fragas quartzíticas da Nossa Senhora da Candosa, fazem parte da crista que atravessa toda esta região e que se estende entre os Penedosde Góis e a Serra do Buçaco.
Por vezes as cristas quartzíticas, no território português, são atravessadas por rios: são exemplos notáveis esta Senhora da Candosa e a as Portas do Ródão no rio Tejo.
O mar esteve na Nossa Senhora da Candosa à 440 milhões de anos (Ordovícico).
Os quartzitos são rochas muito duras, que foram formadas por areias ricas em quartzo, que se depositaram num mar pouco profundo em camadas paralelas e quase horizontais. Este mar situava-se na margem do supercontinente Gondwana, próximo do Pólo Sul. Registe-se que nesse tempo os continentes estavam desprovidos de vida que apenas pululava nos oceanos. Posteriormente os arenitos foram sujeitos a altas pressões e temperaturas sendo transformadas nestas rochas metamórficas-os quartzitos. Mais tarde as forças feéricas do interior da Terra vieram dobrar e a inclinar estas bancadas.
 
LIMITES:
 
Entre N e E: Segue o limite do concelho, ou seja, do Alto de Santa Quitéria até ao cimo da Barroca da Cavada do Vale, continuando por caminho vicinal pelo viso da serra de Alcaria até ao marco geodésico de Egas. Segue depois os limites da freguesia de Góis na parte coincidente;
Entre E e S: Os limites da freguesia na parte coincidente;
Entre S e W: Segue os limites do concelho, ou seja, do marco geodésico de Sacões segue na direcção NW até ao morro da Senhora da Candosa e prossegue até ao Rio Ceira, continuando por este.
Entre W e N: Segue os limites do concelho, ou seja, Rio Ceira atá S da povoação do Juncal, para subir até E do marco geodésico do Arrasaio, atravessando a estrada EN2, e depois na direcção N para a povoação da Chapinheira, e desta até ao marco geodésico de Santa Quitéria na direcção NNE, para seguir o viso.
(Fonte: CCRC 1982)
  
CONFRONTAÇÕES:
 
• Freguesia de Góis (Concelho de Góis)
• Freguesia de Serpins (Concelho de Lousã)
• Freguesia de Pombeira da Beira (Concelho de Arganil) 
  
LUGARES:
 
• Balsas
• Cabril
• Campelo
• Caracol
• Carapinhal
• Casal da Ribeira
• Cerejal
• Chão dos Santos
• Chapinheira
• Covas do Barro
• Cruzinhas
• Farroiba
• Fonte de Soito
• Formiga
• Inviando
• Juncal
• Linteiro
• Monteira
• Murtinheira
• Oliveirinhas
• Passô
• Picarotos
• Rojão
• Sacões
• Santo Velho
• Telhada
• Terras
• Topa
• Val de Egas
• Vale de Oleiros
• Várzea Grande 
• Várzea Pequena
• Vergada